Biópsia Hepática

Em uma biópsia hepática, é retirado um pequeno fragmento de tecido do fígado para que seja examinado pelo médico patologista, a fim de observar sinais de danos e doenças. Uma agulha especial é usada para obter este fragmento. O médico indica a biópsia quando exames sugerem que há alguma doença no fígado. Por exemplo: os exames de sangue podem sugerir que o fígado esteja sendo agredido por vírus ou outras causas. Um ultrassom pode sugerir que o fígado esteja aumentado de volume ou com sua textura alterada. Observar o tecido hepático em si é a melhor maneira de estabelecer o diagnóstico e de prover informações sobre o estágio da doença e seu grau de atividade.

Preparo
Antes de agendar a biópsia, o médico irá solicitar exames de sangue para checar se a coagulação sanguínea está normal. Deve-se informar todas as medicações em uso atual ou recente, especialmente aquelas que afetam a coagulação como anticoagulantes, aspirina e anti-inflamatórios. Se estas medicações estiverem sendo usadas, seu uso deve ser interrompido uma semana antes do procedimento.

Deve ser respeitado jejum de oito horas antes da biópsia. O médico irá informar se o paciente deve ou não tomar suas medicações de uso regular durante o período de jejum e pode também fornecer informações complementares.
O Procedimento
A biópsia hepática é considerada uma cirurgia de pequeno porte, e por isto é feita em ambiente hospitalar. Para a biópsia, o paciente deita de barriga para cima e coloca sua mão direita atrás da cabeça. Após localizar e marcar os bordos do fígado e realizar uma anestesia local, o médico fará uma pequena incisão na porção inferior direita da caixa torácica. Por esta incisão, a agulha é avançada e retirará uma amostra de tecido hepático. Muitas vezes, o ultrassom é usado para guiar a agulha com mais segurança ou em direção a um ponto específico do fígado

O paciente deve ficar bem parado para que não haja acidentes como punção do pulmão ou da vesícula biliar, que estão próximos ao fígado. O médico solicitará que o paciente pare de respirar por 5 a 10 segundos enquanto a biópsia é realizada. Pode ser sentida uma pressão ou uma dor "surda". O procedimento inteiro dura cerca de 20 minutos.

Dois outros métodos de biópsia também estão disponíveis. Na biópsia laparoscópica, o cirurgião insere um tubo especial chamado laparoscópio através de uma incisão no abdome. O laparoscópio envia imagens do fígado a um monitor. O médico observa o monitor e usa instrumentos passados através da parede abdominal para remover amostras de tecido de uma ou mais partes do fígado.

A biópsia transvenosa envolve a inserção de um cateter através de uma veia do pescoço. O cateter é guiado até o fígado. O médico, então, coloca uma agulha no cateter e faz a biópsia. Esta técnica pode ser usada quando há problemas de coagulação ou acúmulo de fluidos no abdome (ascite).
Recuperação
Depois da biópsia, é feito um curativo e o paciente deita sobre seu lado direito, comprimindo o local da biópsia, por 1 a 2 horas. A enfermeira irá monitorizar os dados vitais (pressão arterial, pulso) e o nível de dor.

Deve haver alguém para levar o paciente para casa, uma vez que não é permitido dirigir após o procedimento em virtude da sedação utilizada. O paciente deve ir diretamente para casa e permanecer na cama (exceto para usar o banheiro) por 8 a 12 horas, dependendo de seu médico. Além disto, deve ser evitada sobrecarga física na semana seguinte, para que a incisão e o fígado cicatrizem adequadamente. Pode ser esperada uma ardência no local da incisão e possivelmente dor no ombro direito. Esta dor é causada pela irritação do diafragma, e desaparece em algumas horas a poucos dias. O médico pode indicar o uso de analgésicos para a dor, mas deve ser evitado o uso de aspirina ou anti-inflamatórios pela primeira semana após o procedimento. Estes remédios afetam a coagulação do sangue, que é crucial para a cicatrização.

Como qualquer cirurgia, a biópsia hepática tem seus riscos: punção do pulmão ou da vesícula, sangramento, dor e infecção; porém estas complicações são raras.


Este material foi desenvolvido pela National Digestive Diseases Information Clearinghouse (EUA), revisado e adaptado pela CCSFBG (Comissao Cientifica do Site FBG), sob autorização. No caso de dúvidas, favor entrar em contato conosco.

Voltar

Latest News

Casa Mais Segura

Casa Mais Segura

Read more

Nove pessoas são internadas por dia em SP com queimaduras

Grande parte dos acidentes ocorre em casa, diz estudo

Read more

Sub Navigation